Só é vencido quem desiste de lutar

28
Jul 15

A Beira Serra irá acolher nas próximas semanas os filhos que, em grande número, um dia se viram obrigados a sair em busca de melhores condições, já que as aqui disponibilizadas não respondiam às expectativas e ambições que legitimamente definiram para os seus projectos de vida.

A chegada destes conterrâneos é acompanhada da oportunidade de se estabelecer o contacto com uma visão distanciada da realidade local, importante para quem permanece nestes meios e tem a responsabilidade de identificar e implementar soluções para os constrangimentos existentes mas que não detém um afastamento suficientemente abrangente para os percepcionar.

Foi aliás neste quadro de reconhecimento da importância da opinião da diáspora que a ADIBER promoveu uma iniciativa em Lisboa, inserida no processo de concepção da estratégia de desenvolvimento para a Beira Serra, auscultando o que pensam e propõem aqueles que nunca esqueceram o seu torrão natal, ao qual se mantém ligados afectivamente, numa atitude que visa aumentar a massa critica e o poder reivindicativo de uma região onde todos somos poucos para fazer ouvir a nossa voz.

É que, apesar da evolução sentida ao nível dos indicadores de desenvolvimento, é notório que estes estão ainda muito aquém do desejável e do necessário para se tornarem atractivos para fixar a população jovem e alterar o cenário demográfico actual, marcado pelo despovoamento e envelhecimento das populações que teimam em contrariar esta tendência.

Para quem há muitos anos acompanha estas dinâmicas, é interessante sentir a mudança de paradigma e das preocupações manifestadas pelos ausentes, em que de uma lógica relacionada com questões infraestruturais e de índole material, se evoluiu para a defesa na instalação de serviços que respondam às necessidades emergentes das sociedades evoluídas, como seja a existência de uma eficaz rede de comunicações móveis e de dados que reduzam as distâncias virtuais que afectam os territórios de montanha.

O recente exemplo que envolveu várias Associações do concelho de Arganil, de que destaco a determinação da comunidade de Sobral Gordo, a que se associou o próprio Município, é elucidativo desta atitude de cooperação, já que fruto do seu empenhamento e perseverança foi encontrada uma solução criativa para a inexistência de comunicações em grande parte da Serra do Açôr, aumentando assim a sua proximidade e atractividade e o bem-estar de quem aí reside ou simplesmente a visita.

É, pois, com redobrada alegria e satisfação que se saúdam todos quantos, no seu dia-a-dia, dão o seu contributo para ajudar transformar o território da Beira Serra num espaço mais moderno e competitivo, onde as motivações para o abandonar possam fazer parte do passado.

 

Publicado o Diário de Coimbra em 28.07.2015

publicado por miguelventura às 20:00

14
Jul 15

Vivemos numa Sociedade em que, fruto das especificidades de cada território e das opções politicas que foram sendo tomadas ao longo de muitas décadas, se foram instalando dinâmicas distintas que provocaram diferentes ritmos de crescimento e, consequentemente, graus de desenvolvimento assimétricos.

Decorrente desta realidade e com o objetivo de atenuar as disparidades que foram sendo cimentadas, surgiu a necessidade de se identificarem respostas de cariz excepcional que, pelo grau de inovação e criatividade que incorporam, obrigaram à definição de quadros legais singulares que permitissem a sua implementação em benefício do bem-estar das populações.

É neste contexto que se enquadra a celebração de protocolos atípicos, por exemplo entre a Administração e o sector privado, os quais obedecem naturalmente a preceitos legais que possibilitam a sua entrada em vigor.

Por isso, considero que a existência destes protocolos não pode, não deve, ser o motivo invocado para justificar mais um encerramento de serviços públicos, neste caso na área da saúde, que prestam um assinalável apoio à população que vive no interior, em situação de dependência e isolamento.

Os protocolos poderão sê-lo, mas as pessoas que deles beneficiam nunca, em caso algum, poderão ser consideradas atípicas!

São pessoas com direitos, que pagam os seus impostos e que ao longo da sua vida contribuíram para a riqueza do País, pelo que são merecedores da maior dignidade nos momentos mais difíceis e da solidariedade de quem tem a responsabilidade de criar as condições para que tal suceda.

A decisão da ARS Centro de cessar o apoio médico e financeiro ao funcionamento da Unidade de Internamento Hospitalar de Góis, que há mais de 18 anos se constituiu como embrião da actual rede de cuidados continuados, resultado do espirito visionário do seu ideólogo, Dr. José Cabeças, vem confirmar que as palavras proferidas em muitos discursos de circunstância e escritas em muitos documentos, não passam disso mesmo, palavras.

Com efeito, os continuados actos praticados, de que este é apenas mais um exemplo, contrariam a tese de que a coesão social e territorial no nosso País é uma prioridade assumida pela Administração Central, pois tendem a agravar as referidas desigualdades.

Uma vez mais é o Poder Local, e quem está mais próximo da realidade, que se presta a criar uma resposta eficaz ao problema.

Ao assumir, sem reservas, total disponibilidade para garantir a continuidade de um serviço fundamental para uma condigna qualidade de vida de todos os seus concidadãos, a atitude da Câmara Municipal de Góis e da Misericórdia local, merece ser destacada pela acção responsável que representa.

Conhecendo a vocação solidária dos seus dirigentes, esta sim, não é uma postura atípica!

 

Publicado no Diário de Coimbra em 14.07.2015

publicado por miguelventura às 20:00

Julho 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Acessos

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO