Só é vencido quem desiste de lutar

17
Nov 15

A 12 de Novembro de 1995 foi assinada a Declaração da ONU que instituiu o Dia Internacional para a Tolerância, que se assinala a 16 de Novembro.

Coincidência, ou talvez não, é o facto desta decisão, através da qual os Estados subscritores reafirmam a defesa e a promoção dos direitos humanos fundamentais e da dignidade e valor da pessoa humana, ter sido formalizada em Paris, a cidade capital da Liberdade, da Igualdade e da Fraternidade, princípios e valores que constituem actualmente a base da sociedade europeia civilizada.

A mesma Paris que, 20 anos após a assunção deste compromisso de incentivo à prática da tolerância, do respeito mútuo e da convivência pacífica entre povos vizinhos, foi palco de mais um monstruoso e repugnante acto de terrorismo, levado a efeito por grupos extremistas radicais que jamais serão capazes de aceitar regras distintas das que, inexplicavelmente, defendem.

Estes acontecimentos devem-nos obrigar a reflectir sobre o que efectivamente está a suceder no Médio Oriente, e quais as causas de uma guerra permanente que tem martirizado milhões de pessoas inocentes que, em desespero, são forçadas a abandonar os seus países para fugir à morte, não obstante nessa caminhada em busca de um futuro diferente a tenham de enfrentar, muitas vezes sem sucesso.

Sou dos que acreditam que não são estas famílias e crianças que arriscam a própria vida para fugir aos horrores da guerra, os responsáveis por estes actos.

Estas são bem-vindas e merecem o nosso caloroso acolhimento, porque são somente vítimas de um alheamento da comunidade internacional, que perante atentados na Síria, nas ruas de Beirute, na Universidade de Garissa no Quénia ou nas estâncias turísticas da Tunísia e do Egipto, tem sido incapaz de se mobilizar para alterar este cenário. Nem tão pouco se tem conseguido organizar para receber os refugiados que procuram um abrigo seguro, onde possam ter uma vida melhor.

Agora que a tragédia não respeita apenas aos outros mas está dentro da nossa própria casa, “tocam os sinos a rebate”.

É imperioso que a política assuma de novo o seu lugar, face à crescente importância da economia nos últimos anos, possibilitando a identificação de respostas conjuntas e a definição do que cada Estado pode e deve fazer para terminar rapidamente com este desastre humanitário e evitar que o mesmo se alastre para além do que já conhecemos.

É essencial que a Europa se reencontre enquanto espaço de paz e justiça, em que os valores da liberdade e da fraternidade, da solidariedade, da tolerância e da democracia, apesar de feridos no seu berço, sejam novamente o guia e o farol das Sociedades desenvolvidas e, enquadrados no pleno respeito pelas diferenças, se sobreponham e vençam a barbárie, o ódio e o desprezo pela dignidade humana.

 

Publicado no Diário de Coimbra em 17.11.2015

publicado por miguelventura às 20:00

03
Nov 15

A nova orgânica governamental fez despertar o olhar para uma realidade que é oportuno evidenciar pela importância que a mesma deve exercer na comunidade Arganilense.

Quando um grupo de pessoas demonstra interesse e manifesta, voluntariamente, disponibilidade para dinamizar e participar em iniciativas com o propósito de acrescentar valor a si próprio e partilhar com outros as suas competências e vivências, visando estimular a aquisição de novos conhecimentos, a promoção da auto-estima, a solidariedade, em suma, o engrandecimento da pessoa humana, estamos por certo a falar de cidadania e de cultura.

Cidadania, porquanto se cumpre o dever de participação activa dos cidadãos na vida da sua comunidade, através da adopção de modelos inovadores de intervenção e de identificação de interesses comuns, contribuindo para a motivação de novos actores para o exercício de uma acção que tende a afirmar e consolidar a educação e qualificação não formal das pessoas como uma prioridade.

Cultura, na medida em que a iniciativa se enquadra na promoção da leitura e do contacto com o livro enquanto veículo promotor de conhecimento e de troca e absorção de saberes e hábitos que se apresentam como valores essenciais para o processo de humanização e civilização, ou seja, que facilitam a vida do Homem no seio da sociedade que o acolhe.

É esta atitude que decorre da actividade promovida pelos “Amigos de Ler”, um grupo de apaixonados pela leitura que se reúne mensalmente na Biblioteca Miguel Torga em Arganil para debater e dissecar temáticas que emergem das suas próprias necessidades e interesses, estejam elas ligadas a uma ideia, uma personalidade, uma página, um local ou, simplesmente, uma memória.

Apesar de uma actividade já com relevância, só recentemente os “Amigos de Ler” adquiriram maior visibilidade, através da realização de uma acção que pretendeu, e conseguiu, não só divulgar e valorizar a obra de uma autor e estudioso da sociedade Arganilense, o Engº Amândio Galvão, mas sobretudo “obrigar” os participantes a reflectirem sobre o que foi e o que é Arganil e qual o papel que cada cidadão deve desempenhar num contexto cada vez mais global e permeável a influências externas, mas que não deve alienar a sua identidade e as suas tradições.

Pelos valores e pelo exemplo inspirador que transporta, para mais num momento em que o individualismo tende a progredir na sociedade, é de louvar e destacar a existência destes modelos de intervenção e participação colectiva, em que cultura e cidadania avançam lado a lado, para mais em territórios onde os mesmos não são acolhidos com a relevância que deveriam merecer, pois, infelizmente, as prioridades ainda estão direccionadas para a satisfação das necessidades materiais.

 

Publicado no Diário de Coimbra em 03.11.2015

publicado por miguelventura às 20:00

Novembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Acessos

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO